23 de jan de 2019

Resenha: O Poder | Naomi Alderman

| |


Sinopse: Em um futuro próximo, as mulheres desenvolvem um estranho poder: elas se tornam capazes de eletrocutar outras pessoas, infligindo dores terríveis... até a morte. De repente, os homens se dão conta de que não estão mais no controle do mundo.

Imagine um mundo em que as mulheres têm um poder –poder exclusivo delas- e que faz com que elas possam dominar o mundo? Parece legal, certo? Afinal, estamos acostumados a ver distopias em que mulheres interpretam os papeis menores e que vivem a sombra de algum homem. Não em O Poder.

No livro, conhecemos 6 personagens dessa história- Allie, Roxy, Tunde, Margot, Jocelyn, Darrel- todos tem sua história entrelaçada e lidam com o poder de uma forma.

Allie é uma menina que já passou por muitos lares adotivos e usou seus poderes para matar seu pai adotivo que a violentava, na mesma noite ela fugiu, ela e a voz que conversava com ela. Roxy é filha de um homem muito poderoso no mundo do crime e em decorrência a isso, acaba presenciando a morte da mãe. Tunde decidiu trabalhar como fotografo registrando as manifestações e pautas sobre O Poder após conseguir vender um vídeo no começo e isso render dinheiro, ele viaja o mundo todo registrado tudo que há de interessante. Margot é uma prefeita que toma a dianteira em medidas para lidar com tudo o que anda acontecendo, sua filha Jocelyn, ativou o poder nela e ela escondeu até onde pode.

O livro que conta com 368 páginas divididos em 8 partes, sendo que cada parte tem um capítulo de cada personagem, é uma distopia que a muito tempo eu sentia a vontade de ler sem saber da existência do livro. É uma mistura dos nossos medos mais obscuros –que os Jogos Vorazes e O conta da Aia- deixem de ser uma ficção e aconteça de verdade. O medo daquilo que não podemos explicar e que acontece deixando tudo de cabeça para baixo. Óbvio que é super legal uma história em que as mulheres possam ser maiores, só que o caminho que segue, nos faz pensar que a igualdade é sempre melhor do que algo ser maior que outra coisa.




A voz que a Allie escuta – que depois passa se chamar Mãe Eva- a instrui a traçar caminhos sem volta, e une todos os personagens de certa forma.Um ponto que eu gostei muito no livro, é a troca de correspondências entre um homem e uma mulher no começo do livro e no final, que é como se a história fosse o manuscrito do homem e a mulher o aconselha (nisso, eles vivem num mundo onde as mulheres tem o poder mesmo).  É interessante ter a ideia de que os bebês quando são homens, a gravidez é interrompida ou que os homens que são vistos como frágeis e sentimentais. Visto como é na sociedade hoje em dia esse papel de gênero, em que as pessoas gostam de rotular cada gênero em uma caixinha e que só existe duas opções, quando existem diversas possibilidades. Outro ponto interessante é que nessa conversa, a mulher sugere que o homem use um nome de mulher para publicar seu livro, quando em outras décadas, as mulheres tinham que escrever sob pseudônimos masculinos para poderem ser levadas a sério e que também homens escreviam com nome de mulher já que eles não empregavam as mesmas. Não tem muito o quê dizer do livro sem revelar exatamente tudo.

O livro é bem coeso em seus pontos, e acho que se a gente trouxesse para os dias atuais certas coisinhas que aparecem, saberíamos como o mundo se tornaria, mesmo não existindo um poder maior para amedrontar as pessoas.

E você, já conhecia o livro?
Beijos

7 comentários:

  1. Não conhecia o livro, mas a sua resenha me chamou bastante a atenção. Me interessei muito, bem quero ler!

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
  2. Parece ser incrível! Já tinha ouvido falar muito bem desse livro e sua resenha me deixou ainda com mais vontade de ler.
    ´
    https://naoseavexe.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Primeira vez que vejo uma resenha desse livro e nem preciso te dizer que já estou doida para conhecer, né? Ele parece ser maravilhoso!

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  4. Cara, que interessante! Me lembrou o estilo daquele filme Não Sou Um Homem Fácil, sabe? Maaas eu não gostei do filme não e achei a ideia mal executada. Mas pelo que tu falou na resenha, nesse livro conseguiram fazer uma história bacana, então fiquei curiosa e já quero conhecer as personagens!

    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oie ainda não tinha ouvido falar desse livro, parece bem interessante, eu amei o design da capa ^^

    bjs

    Ariadne ♥
    De volta ao retrô | Facebook | Instagram

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia o livro, mas parece ser bem interessante :)

    Beijinhos grandes ^^
    O blog da Mó | Instagram | Facebook

    ResponderExcluir
  7. Oie Tay =)

    Não conhecia o o livro, mas achei a temática interessante. Não é um livro que leria agora, mas quem sabe no futuro eu possa dar uma chance.

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir